[There are no radio stations in the database]

MST celebra 10 anos de escola referência de agroecologia com presença do Governador, Ministros e 4 mil convidados

Escrito por   em 28/08/2023

Ato político na festa da Escola Egídio Brunetto reuniu ministro, governador e parlamentares no Assentamento Jacy Rocha

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) comemorou,  sábado (26), os dez anos de fundação da Escola Popular de Agroecologia e Agrofloresta Egídio Brunetto, no assentamento Jacy Rocha, no município de Prado, Extremo Sul da Bahia.

Pode ser uma imagem de 7 pessoas e texto que diz "MST"

Comemorações de ‘0 anos da festa da Escola Egídio Brunetto reuniu 4 mil convidados

Foto: Edmilson Ciriaco/ Ida Santiago.

A festa também foi marcada pela inauguração de novos espaços na escola, como a criação de áreas administrativas, bloco de alojamentos, refeitório, auditório e salas de aula. Foi ainda inaugurada uma loja com produtos da reforma agrária.

.

MST e autoridades políticas inauguram as novas instalações da Escola Popular de Agroecologia Egídio Brunetto. Foto: Luara Dal Chiavon.
Pode ser uma imagem de 5 pessoas e texto
Dirigente  do MST, Eliane Oliveira  comemorou o sucesso do evento e agradeceu os milhares de convidados
Foto: Edmilson Ciriaco/ Ida Santiago.
Pode ser uma imagem de 5 pessoas e texto
Fabya Reis, Secretaria de Assistência Social do Estado da Bahia=Foto: Edmilson Ciriaco/ Ida Santiago.
Pode ser uma imagem de 6 pessoas e textoMais de cem lideranças e autoridades compartilharam o palco das comemorações dos 10 anos da Escola Egidio Brunetto no Jacy RochaPode ser uma imagem de 5 pessoas

Da direção Nacional do MST, Evanildo Costa, aqui ao lado do Prefeito Gilvan Produções, comemora o sucesso do evento. Foto: Ida Santiago

Pode ser uma imagem de 6 pessoas

Da direção Regional  do MST,  Antonio Paraguai recebe o Senador e ex. Governador  Jacques Wagner  e o amigo Ranieri. Foto: Ida Santiago
Pode ser uma imagem de 4 pessoas

Ex jogador da seleção Brasileira, o ativista Rai almoça com o Governador Jeronimo e o empresário Solteiro, Vice Presidente do PT de Itamaraju. Foto: Ida Santiago
Pode ser uma imagem de 6 pessoas e texto

População Quilombola, indígenas, Ribeirinhas, camponeses, juventude, autoridades, ativistas e políticos lotaram o assentamento Jacy Rocha, muitos em barracas de camping participaram de apresentações culturais, místicas, shows e diversão que foi até a madrugada de domingo,27- Foto: Edmilson Ciriaco

SAIBA MAIS…

A metodologia da Egídio Brunetto tem quatro vertentes centrais: produção, comercialização e os eixos ambiental e social. Em parceria com a Fiocruz, a especialização em Educação do Campo e Agroecologia formou 48 pessoas em sua primeira turma.

Os espaços pedagógicos na Egídio Brunetto também são fundamentados nos quintais produtivos das famílias, onde os sistemas agroflorestais são a base fundamental. É onde estão inseridos os cursos populares não formais, voltados às produções desenvolvidas nos lotes – como é o caso do cultivo do café, da pimenta, e de outras fruticulturas.

“Essa escola é uma ferramenta pedagógica dentro desses territórios do Extremo Sul. Ela surge para contribuir na construção da agroecologia e da agrofloresta, no debate da produção de alimentos saudáveis, assim como a formação nesse viés da agroecologia de sem-terra, indígenas e povos originários, tanto desse território, aqui no estado da Bahia, como de fora, de outros países”, contou Eliane Oliveira, da direção nacional do MST na Bahia.

Apoio político

A escola estava no roteiro da diligência da CPI do MST ao longo da última semana. Mas, de última hora, os parlamentares mudaram o roteiro e descartaram as áreas indicadas pela própria militância do movimento.

O ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira, participou do evento e destacou a relevância do conhecimento para o desenvolvimento da agricultura.

“Essa escola vai ser um centro de debate sobre o fortalecimento da agricultura familiar. Vai ser possível debater bioinsumos, energia solar, cooperativas e agroindústrias”, afirmou o ministro, relembrando que a escola cumprirá um papel de apontar os caminhos sobre como a agricultura pode “absorver as mudanças tecnológicas”.

Ele também criticou a narrativa dos integrantes da CPI do MST, de questionar as condições de vida dos assentados e tentar “denunciar” supostas desigualdades entre os trabalhadores.

“A CPI esteve aqui. Foi na casa da Juliana e disse que a casa dela é bonita, tem carro, planta café, pimenta e cacau. Se para eles isso é problema, para nós é virtude”, afirmou Teixeira, provocando a CPI a destinar recursos para a reforma agrária.

O governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues, também participou do ato político e comemorou a ampliação da escola.

“A construção tem duas vertentes. A construção física dos alojamentos, do refeitório, das salas de aulas e laboratórios, das casas dos professores e professoras, mas há uma construção que não diz respeito a essa obra. É uma construção que diz respeito a um novo modelo de desenvolvimento. Nós estamos falando de uma descolonização brasileira. Descolonizar o povo brasileiro significa dar as condições de raciocínio, de capacidade critica, de análise. É esse o projeto que o MST traz nessa data de hoje”.

Jacques Wagner (PT), ex-governador da Bahia e atual líder do governo no Senado, recordou a trajetória travada pelo MST para erguer a escola.

“Para construir uma coisa boa, não acontece da noite para o dia. Isso foi luta de muita gente, dos governos meu e do Rui, agora do Jerônimo, de vocês do MST. E eu creio que esse lugar aqui será também um farol para algumas mentes fechadas entenderem que o MST não é um movimento da violência. Ele é um movimento que evita a violência no campo e na cidade”, afirmou.

Agricultores na Feira da Reforma Agrária durante festa de dez anos da Escola Popular de Agroecologia Egídio Brunetto. Foto: Matheus Alves.

A festa de inauguração dos novos setores da escola foi prestigiada por 4 mil pessoas e recebeu visitas de integrantes do MST do Brasil inteiro e apoiadores, como o ex-jogador e campeão do mundo pela seleção brasileira, Raí.

“Estou aqui para aprender com vocês e conhecer melhor. Eu estou também como ativista da educação. A revolução, a verdadeira revolução, vem da educação e do exemplo de vocês”, afirmou o ex-atleta.

Participaram do ato o presidente do INCRA, Cesar Fernando Schiavon Aldrighi, os deputados federais Nilto Tatto (PT-SP), Marcon (PT-RS), a deputada federal e presidenta do PT Gleisi Hoffmann, o deputado Federal Valmir Assunção (PT-BA), a Secretária Nacional de Diálogos Sociais e Articulação de Políticas Públicas, Kelli Mafort, o superintendente regional do Incra na Bahia, Carlos José Barbosa Borges, João Paulo Rodrigues, da direção nacional do MST e Gilvan da Silva Santos, prefeito de Prado.

A região segue comemorando os dez anos da escola ao longo do final de semana. Neste domingo (27), estão previstas atividades como o café da manhã camponês, trilha agroecológica, culto ecumênico e a feira da Reforma Agrária.

*Editado por Rodrigo Durão Coelho e Maria Silva-Do Brasil de Fato


Iniciar Conversa
Oi, Sejam bem vindo(a) a nossa rádio!
Olááá! Obrigado por ouvir a Revista Multimidia !!!